Huawei entra no mercado de computadores em fevereiro 0 14

Depois de ser bem sucedida no mercado de telefonia móvel em 2015, a Huawei agora coloca o olho no negócio de computadores pessoais.

Vários relatórios da Ásia indicam que a Huawei anunciou que em fevereiro sairá uma linha de computadores que serão capazes de executar o sistema operacional Windows durante a execução Android.

O anúncio seria feito na MWC, Mobile World Congress a ser realizada no final de fevereiro em Barcelona, ​​Espanha. 

De acordo com o site Gadgets 360, no ano passado, a fabricante do telefone Nexus 6P MateBook registrou a marca. O mesmo site diz que existe a possibilidade de que o computador a ser anunciado na MWC Chromebook é um tipo portátil, ele só funciona com o sistema operacional Web Google, o Chrome OS.

Não seria uma surpresa se a Huawei lançar uma versão do computador que só funcionam com a plataforma Google. O fabricante chinês, que em 2015 surpreendeu a todos ao esgueirando para o top 5 fabricantes de smartphones mais importantes, tem uma parceria com o Google para fabricar 6P telefone Nexus, que usa versão pura do Android 6.0 Marshmallow.

Este ano vimos um computador tipo híbrido com sistema operacional dupla: 13 Lenovo ThinkPad. Este computador é capaz de executar o Windows 10 e Chrome OS. No entanto, a versão capaz de rodar ambos os sistemas operacionais, que terá o lançamento daqui alguns meses.

huawei

Previous ArticleNext Article
Rita Lemes, administradora do site ATUTEC, amante da tecnologia e viciada em séries da Netflix. Blogueira desde 2009 com passagem por vários sites de TV e se descobriu finalmente no mundo da tecnologia.E-mail: [email protected] Telefone: (14) 99178-8104

Comentar

ESET alerta sobre fraude no Google Play relacionada ao jogo Minecraft Comentários desativados em ESET alerta sobre fraude no Google Play relacionada ao jogo Minecraft 34

A ESET – fornecedora de soluções para segurança da informação e pioneira em proteção proativa – detectou 87 falsos mods (extensão do jogo que o modifica, com o objetivo de adicionar novas possibilidades relacionados a personagens, cenários e outros objetos) no Google Play, expondo os jogadores Minecraft à fraude. Ao todo, foram identificadas cerca de 990 mil instalações dos falsos mods e a ESET reportou a falha para a loja virtual do Google.

De acordo com a ESET, as aplicações falsas identificadas estão divididas em duas categorias: downloader (Trojan cuja função é realizar o download e instalar arquivos nocivos ou mais variantes de um malware no sistema infectado da vítima) mostrando anúncios publicitários; e aplicações maliciosas que redirecionam os usuários para sites fraudulentos.

Na categoria de downloader, a ESET identificou 14 aplicações falsas que se passam por mods do Minecraft e que alcançaram 80 mil instalações. Sob o pretexto de ser um módulo adicional para rodar os jogos, esse Trojan roda fora do aplicativo, exibindo anúncios não autorizados, interrompendo as atividades da vítima.

Já na segunda categoria da fraude foram identificados 73 aplicativos maliciosos voltados a direcionar as vítimas para sites fraudulentos. Pela investigação da ESET, esses apps foram adicionados no Google Play entre janeiro e março de 2017 e alcançaram 910 mil instalações.

Uma vez abertos, esses aplicativos exibem uma tela com um botão de download que ao ser selecionado redireciona o usuário para um site que mostra diversos tipos de conteúdos que vão de anúncios, pesquisas, ofertas, cupons gratuitos, prêmios, pornografia, falsos alertas de vírus e atualizações que tentam assustar o usuário. As mensagens são exibidas em diferentes idiomas tendo como base os endereços IP dos usuários.

“Para evitar esse tipo de golpe, é importante que o usuário sempre utilize as lojas oficiais para baixar os aplicativos e verifique as recomendações feitas por outras pessoas, assim com a pontuação e qualquer outro detalhe que ateste a autenticidade do aplicativo desejado”, afirma Camillo Di Jorge, Presidente da ESET Brasil. “Outro cuidado essencial é instalar e manter atualizada uma solução de segurança proativa em todos os dispositivos que acessam a internet”, complementa.