Empresas se juntam contra aos golpes sofridos pelo WhatsApp 0 10

Axis Mundi que atualmente está trabalhando em projetos voltado ao mundo mobile como aplicativos e outros, se uniu com a ESET, empresa especialista em segurança. As duas empresas se juntaram para acabar com os golpes sofridos pelo WhatsApp que tenta barrar os mesmo várias vezes.

“Esse tipo de prática gera grandes prejuízos para os negócios e para a imagem das empresas e, por esse motivo, as pesquisas realizadas pela ESET América Latina são essenciais para evitar que esses golpes aconteçam. Dessa forma, unir a expertise de todos os envolvidos e trabalhar de forma conjunto é fundamental para a existência de relacionamentos saudáveis, transparentes, eficazes e sustentáveis”, disse Barbara Piotrowski, da Axis Mundi Argentina, sobre a parceria.

A ideia inicial é disponibilizar apps aos usuários, para que eles consigam achar fraudes consideradas criminosas “Este tipo de golpe demonstra a importância da conscientização dos usuários como a primeira barreira de proteção. Diante disso, a ESTE tem feito um trabalho forte no sentido de educar e alertar os usuários sobre esses golpes, por meio de apps como o WhatsApp”, comentou Lucas Paus, especialista em segurança da ESET América Latina.

whatsapp

Previous ArticleNext Article
Wellington Gomes, estudante de Enfermagem com passagem em vários sites de TV em destaque para o portal Famosos naWeb, administrador do site ATUTEC e adora escrever sobre notícias voltada ao mundo da tecnologia E-mail: atutecbrasil@gmail.com Telefone (14) 98191-4724

Comentários

Alerta sobre golpe virtual que usa falso e-mail sobre contas inativas do FGTS para roubar dados de brasileiros Comentários desativados em Alerta sobre golpe virtual que usa falso e-mail sobre contas inativas do FGTS para roubar dados de brasileiros 18

A ESET – fornecedora de soluções para segurança da informação e pioneira em proteção proativa –  identificou um novo tipo de golpe que usa como chamariz a consulta a contas inativas do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço). Na ação, os cibercriminosos enviam um falso e-mail sugerindo que vítima consulte o saldo de sua conta inativa do FGTS por de um link, o qual na realidade direciona o internauta para um site voltado a roubar dados pessoais.

Entre as informações solicitadas para preenchimento no falso site do FGTS estão CPF, data de nascimento, Número de Identificação Social (NIS), credenciais de acesso ao sistema do governo, telefone, além de informações bancárias. O objetivo dos cibercriminosos é vender os dados pessoais, realizar fraudes ou mesmo direcionar outros ataques para levantar ainda mais informações das vítimas.

Para aplicar o golpe, os cibercriminosos usaram uma falha de segurança e incluíram scripts PHP no servidor. Dessa forma, quando a vítima acessa determinadas URLs especificas, consegue visualizar uma página de internet com conteúdo legítimo.

“Esse caso é um exemplo de como um servidor, hospedando um conteúdo legítimo, teve suas vulnerabilidades exploradas e foi utilizado pelo cibercrime para a propagação de phishing. Isso vale de alerta para aqueles que administram servidores, principalmente, com conteúdos acessados pela Internet, para que atualizem seus sistemas e aplicações, apliquem sempre patch e os protejam antes da ocorrência de um incidente”, afirma Camillo Di Jorge, Presidente da ESET Brasil. “No caso dos usuários, vemos novamente como assuntos de temas amplamente noticiados são utilizados para realizar ciberataques. Cibercriminosos estão sempre explorando assuntos com maior probabilidade de conseguir cliques por parte das pessoas”, reforça o executivo.

Para evitar cair em golpes com esse, a ESET alerta sobre a importância de saber identificar uma ameaça digital, evitando clicar em e-mails desconhecidos, que solicitem informações pessoais ou a realização de downloads. Além disso, os internautas devem contar com soluções de segurança proativas instaladas e atualizadas em todos os equipamentos que acessam a internet.